Últimas Notícias

Coelho cobra planejamento e ações para aumento da arrecadação e Armando indica reunião entre SINDIFISCAL e Governador

17/06/2019 17h13 - Atualizado em 17/06/2019 17h32

A reunião entre SINDIFISCAL e o governador Mauro Carlesse (PHS) para discutir demandas da categoria e medidas de incremento da arrecadação deve acontecer na próxima semana, logo após o feriado de Corpus Christi. Foi o que afirmou o secretário da Fazenda, Sandro Henrique Armando, durante reunião entre entidades e membros do governo, que ocorreu na manhã desta, segunda-feira(17), no auditório do IGEPREV. A audiência tratava do pagamento da data-base aos servidores públicos estaduais e o cenário orçamentário-fiscal.


Armando respondia aos questionamentos do presidente do SINDIFISCAL, João Paulo Coelho, sobre a necessidade da implementação de políticas e ações que efetivamente aumentem a arrecadação de tributos no Estado, quando destacou: “Estamos sempre abertos à discutir e receber propostas. Inclusive, quero aqui aproveitar a oportunidade, mesmo em público, João Paulo, para dizer que o governador deve receber o Sindifiscal após o feriado para discutir não só as questões da categoria, mas as idéias sobre o aumento da arrecadação”.





O presidente do sindicato, durante uso da palavra enfatizou que “para que haja equilíbrio das contas é preciso não só o corte de gastos, mas o aumento da receita própria”. Para ele, a reunião que convocou líderes sindicais para detalhar o cenário fiscal do Tocantins “deveria apontar também o planejamento para o aumento da receita. O Tocantins tem 6 mil empresas no regime normal, 25 mil empresas de pequeno porte e 50 mil micro empresas individuais. E diante desse cenário, não estamos visualizando uma programação, um projeto para o momento atual e para os próximos quatro anos e que, apesar de nós auditores não estarmos recebendo a data base, iremos sugerir mudanças para melhorar a arrecadação".



Coelho citou o fechamento dos postos fiscais de Santa Isabel, São Sebastião e Filadélfia, que resultou em “evasão de divisas”, e também cobrou a retomada dos programas de monitoramento de empresas por parte da Sefaz, bem como a realização de auditorias especializadas nas empresas de grande porte.


O secretário mencionou a criação da Delegacia de Grandes Contribuintes, a revisão de termos de acordo e a busca por solução para a ausência de policiais nas unidades de fiscalização como medidas buscadas pela secretaria para melhorar os resultados da fiscalização e completou citando o indicativo de reunião entre governador e SINDIFISCAL para ampliar o debate. Sobre o pagamento da data-base, nenhuma proposta foi apresentada.